"o pior analfabeto é o analfabeto político..." Bertold Brecht

.quem sou

.Março 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.recentemente

. Dia do Pai...

. O analfabeto político

. Um cravo de Fraternidade

. Abril, mês dos cravos e d...

. Com irregularidades, mas ...

. Poema...

. Digam lá se isto não é de...

. O que nasce torto…

. Erro de autarca põe idoso...

. Homens e mulheres unidos ...

.as escolhas

. todas as tags

.outras andanças

.fotomemória

.companheiros

. Migração

Terça-feira, 22 de Novembro de 2005

Vivemos num paraíso...

Já estamos habituados ouvir dizer que está tudo bem nos Açores… ora é o secretário regional da Economia a dizer que nos Açores não existe crise; ora é o secretário regional da Educação Ciência e Tecnologia a referir que as nossas escolas estão óptimas, que o nosso sistema de ensino é admirável, que temos implementado na Região medidas que só agora começam ser implementadas no território continental…enfim…
Entretanto, Carlos César, este fim-de-semana, no Congresso Regional do PS, ao efectuar o balanço dos dois últimos anos de governação socialista na Região afirmou que “foi como subir o Pico com um fardo às costas. Nós a trabalhar e o continente a puxar para baixo”.
No entanto, Carlos César não diz é que já se “esqueceu” da promessa feita aos jovens açorianos quando o Governo da República decidiu acabar com os juros bonificados para aquisição de habitação, altura em que referiu que seria encontrada uma alternativa para os jovens da Região. O certo é que passado tanto tempo, ainda se continua a aguardar tal alternativa…
O que César não referiu é que a “mania” da aposta no turismo – não como sector económico complementar mas como alternativa à nossa base económica – está a ser feita, em alguns casos com elevados custos em termos de impacte ambiental e destruição da paisagem (como será o caso da construção do hotel e do campo de golfe na Ribeira Grande, em plena zona pertencente à rede natura 2000).
O que César não disse é quais serão os custos económicos da “febre” de alienação de património público e de criação de empresas públicas (que certamente exigem um quadro de técnicos e gestores, possivelmente muito bem pagos pelos cofres da Região).
O que o Presidente do Governo Regional se “esqueceu” de referir igualmente é que segundo os dados estatísticos do desemprego este tem diminuído porque as estatísticas não são feitas tendo por base a população em idade activa, mas sim com base no número de inscritos nos Centros de Emprego e Formação Profissional (incluindo muitas vezes pessoas que se encontram a frequentar formação profissional)…
O que este Governo continua sem dizer, é que temos os agricultores a passarem por enormes dificuldades, fruto da Política Agrícola Comum que tem tentado asfixiar completamente a nossa agricultura… ou que temos os nossos pescadores a passarem por dificuldades enquanto outros usam e abusam das riquezas dos nossos mares, delapidando os recursos marinhos que temos…
O que se “esquecem” igualmente de dizer, é que, ao contrário do que é veiculado pelo secretário da tutela, temos grandes e graves problemas nas escolas açorianas, começando desde logo pelo 1º Ciclo do Ensino Básico. Continuamos a ter crianças com três e quatro anos sem acesso ao Ensino Pré-Escolar – apesar do Sr. secretário referir o contrário – temos professores que nem fotocópias conseguem tirar para os seus alunos tais são as restrições orçamentais por parte da tutela.
O que se “esquecem”, é que vivemos numa Região composta por nove ilhas e onde, apesar do conceito de desenvolvimento harmónico e equilibrado do todo regional, as discrepâncias entre ilhas, quer em termos de desenvolvimento, quer em termos de investimento público, são enormes.
Mas nós não esquecemos que temos sido governados ora por socialistas, ora por sociais-democratas e que a actuação em termos de políticas de fundo é basicamente igual, tirando uma nuance aqui ou acolá…
Segundo eles, vivemos num paraíso… para nós, a realidade é bem diferente!

analfabetado por ilheu às 08:40

para onde devo ir | ajuizar | ver outros juizos (2) | juntar...

Quarta-feira, 9 de Novembro de 2005

...

A2.jpg
Álvaro Cunhal faria amanhã 92 anos...
Visitem http://alvaro-cunhal.parasempre.net e acendam-lhe uma vela de homenagem!

analfabetado por ilheu às 08:39

para onde devo ir | ajuizar | juntar...

Segunda-feira, 7 de Novembro de 2005

Turismo, mas como…?!

O Presidente da República visitou recentemente a ilha de Santa Maria no âmbito da presidência aberta sobre turismo, tendo enaltecido a evolução do turismo nos Açores, ao mesmo tempo que relembrou que a Região tem “uma oferta maravilhosa em bruto”.
Na verdade, muito se tem falado sobre o desenvolvimento turístico dos Açores e a necessidade de se apostar no desenvolvimento deste sector; contudo, parece que o desenvolvimento do sector turístico perspectivado pelos governos de César apontam no sentido da afirmação do turismo como actividade económica alternativa aos sectores tradicionais e não como complemento desses mesmos sectores.
Basta olharmos para Ponta Delgada ou para Angra do Heroísmo e vemos um proliferar de grandes instituições hoteleiras que nos fazem antever o desenvolvimento da actividade massivo e, muitas vezes, sem respeito pela natureza.
Exemplo paradigmático desta situação é o projecto anunciado durante a campanha eleitoral para as autárquicas e que prevê a construção de um hotel junto à Lagoa do Fogo e de um campo de golfe.
O projecto desenvolvido pela empresa EcoBarrosa prevê a construção de uma unidade hoteleira com de quatro estrelas com 107 quartos e 6 suites, bem como um campo de golfe com 18 buracos, ocupando uma área de 700 mil metros quadrados.
É no mínimo caricato e merecedor de reflexão o facto de, devendo este projecto ser desenvolvido numa zona abrangida pela Rede Natura 2000, numa zona cujas principais ameaças apontadas no site oficial da Secretaria Regional do Ambiente e do Mar são precisamente a erosão, o fácil acesso, introdução de exóticas, pastoreio e pressão turística.
Não menos caricato e merecedor de reflexão é o facto de na referida página de Internet não se encontrar qualquer referência ao projecto, nem a avaliações de impacte ambiental – até porque os dados existentes sobre processos de Avaliação de Impacte Ambiental desenvolvidos ou em curso na Região Autónoma dos Açores respeitam ao ano de 2002 (há três anos atrás).
Não menos estranho é o silêncio do actual presidente da Câmara Municipal da Ribeira Grande sobre este projecto que já recebeu incentivos financeiros.
Que o concelho da Ribeira Grande necessita de unidades hoteleiras não é novidade para ninguém; que necessita de sair do marasmo em que se encontra, também é verdade; que tem excelentes potencialidades naturais que podem e devem ser utilizadas para o desenvolvimento da actividade turística, contudo, tal terá de ser feito de forma programada e respeitando as condições ambientais.
Também não é menos merecedor de reflexão o silêncio absoluto dos órgãos de poder local, quer da Câmara quer da Junta de Freguesia, sobre o projecto “Velhos Guetos, Novas Centralidades”, que passado mais de um ano sobre o anúncio dos fundos EFTA para Rabo de Peixe, continua praticamente parado, sendo apenas visível a placa afixada nas futuras instalações do projecto que continua sem gestor…
Os ribeiragrandenses em geral, merecem explicações por parte do Governo Regional e da Câmara Municipal quanto ao projecto para a Lagoa do Fogo, da mesma forma que a população da Vila de Rabo de Peixe merece explicações quer dos governos da República e Regional, quer da Câmara e da Junta de Freguesia, sobre o projecto “Velhos Guetos, Novas Centralidades”.
A Vila de Rabo de Peixe é apontada por muitos – mesmo por alguns políticos – como autêntico sorvedouro de dinheiros públicos sem que se vejam resultados práticos da aplicação de tais dinheiros, contudo, poucos são os que questionam a forma como têm sido postos em prática esses projectos e os investimentos efectuados. É que o grande problema reside no facto de ainda não se ter iniciado um programa integrado de educação para a cidadania na Vila de Rabo de Peixe que vá à raiz dos problemas em vez de andar a podar árvores sem remissão…
Neste momento, temos um cine-teatro, inaugurado em Abril deste ano, que abriu as portas apenas por duas vezes, no qual funciona um Centro de Informática que continua sem acesso à Internet e que apesar das promessas de que seria uma sala de espectáculos para cinema, teatro e outras actividades culturais, continua encerrada porque “as cadeiras foram muito caras” e “a sala custou muito dinheiro”, segundo consta ter dito o responsável pelas instalações.
Enquanto se tiver em Rabo de Peixe, à frente de projectos deste tipo, pessoas que pensam que a população de Rabo de Peixe não merece…isto vai mal!

analfabetado por ilheu às 12:29

para onde devo ir | ajuizar | juntar...

.memórias

. Março 2009

. Junho 2007

. Junho 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

.fotomemória

.subscrever feeds